Avignon

Por em 11 outubro, 2016

head
A cidade cujo nome significa “Rio Violento” é um daqueles lugares para se apaixonar à primeira vista e amar para sempre. “Quem se afasta de Avignon enlouquece.” – Diz um provérbio provençal.

A HISTÓRIA

Cidade com maior peso histórico na região de Provença, Avignon foi residência de 7 papas de 1309 a 1376. Em 1377, a cúria voltou para Roma. Entretanto, o período conhecido como papado de Avignon foi suficiente para dar a essa vila seu aspecto monumental. Inicialmente, Avignon era propriedade de Carlos de Anjou, rei de Nápoles, mas tornou-se propriedade papal em 1348 quando foi adquirida da rainha Joana I da Sicília. Permaneceu assim até 1791 quando foi Incorporada ao território francês, durante a revolução francesa. Em 14 de setembro de 1791 uma assembléia nacional francesa aprovou uma constituição que incorporou a perda dos privilégios do clero e da nobreza e limitou o poder do rei.
O centro histórico de Avignon está classificado como patrimônio Histórico da humanidade pela Unesco, desde 1995.

O QUE FAZER

Esta cidade tem muito peso histórico, às vezes pode até ser pesada demais. Carrancuda!
O Centro de atendimento ao turista fica na 41 cours Jean-Jaurés.

Muralhas de Avignon

Muralhas de Avignon
As muralhas estão em ótimo estado de conservação. Foram construídas pelos papas, imediatamente após a mudança de residência do papado para Avignon.

Palais des Papes

Palais des Papes
Construído entre 1335 e 1364, é o maior palácio gótico da Europa e domina Avignon do topo de uma montanha. A impressionante construção Possui muros de 5m de espessura e 2 alas, a antiga de 1334 e a nova de 1342.
Suntuosa residência de cardeais e arcebispos de numerosos conventos e igrejas, hoje, a maioria dos cômodos (salão de banquetes, quarto do papa na torre dos anjos, o escritório de Clemente VI), estão desprovidos de ornamentos, à exceção das capelas de Saint-Jean e Saint-Martial que estão Ornadas com afrescos de Simone Martini e Matteo Giovanetti, século XIV. Quando a corte papal regressou para Roma, o palácio foi utilizado como quartel general.

Suas Torres (fachada oeste)

Suas Torres (fachada oeste)
Atenção para a apresentação oficial das torres do palácio:
1 – “tour de Trouillas”
2 – “tour des Latrines” ou “de la Glacière” (torre das latrinas)
3 – “tour des Cuisines” (torre das cozinhas)
4 – “tour Saint-Jean”
5 – “tour de l’Étude” (torre de estudo)
6 – “tour des Anges” or “tour du pape”(Torre dos anjos, o quarto do papa no 1º andar)
7 – “tour du Jardin” (torre do jardim)
8 – “tour de la Garde-Robe” (torre do guarda roupa)
9 – “tour Saint-Laurent”
10 – “tour de la Gache” (derrière)
11 – “tour d’angle” or “tour des Grands Dignitaires”
12 – “tour de la Campane”

La Place du Palais

La Place du Palais
Esta praça faz lembrar a Itália. O trenzinho vai te levar para um passeio através do olhar dos papas medievais.

Musée du Petit Palais

Musée du Petit Palais
O museu apresenta uma bela coleção de pinturas italianas, os trabalhos são de Veneza, Florença, Siena, várias galerias de esculturas romanas e pinturas do século XV feitas em Avignon.

Cathédral de Notre-Dame des Doms

Cathédral de Notre-Dame des Doms
Catedral do século XII, contém a tumba de alguns dos papas infiéis. No Alto, a estátua da Virgem Maria. A partir da catedral , à esquerda, faça uma caminhada até o Rocher des Doms, onde há um jardim de essências variadas e onde você poderá observar a margem direita do rio Rhône e a cidade vizinha Villeneuve-Lez-Avignon.

Visite também: O museu Calvet e Requien na 64 rue Joseph-Vernet.
Museu Lapidaire na 27 rue de la Republique.

Pont Saint-Ebénézer ou Pont D’Avignon

Pont Saint-Ebénézer ou Pont D’Avignon
Construída sobre o Rhône, entre 1177 e 1185, a ponte possuía inicialmente, 22 arcos. Foi reconstruída várias vezes, e em 1660, depois de uma enchente, adquiriu a aparência de hoje com, somente, 4 arcos. As inundações interromperam com a construção de uma barragem ao longo do curso do rio Rhône. Sobre a ponte encontra-se a capela de Saint-Nicholas.
Um passeio interessante de bicicleta elétrica ou comum é montado pela Daytour, com o objetivo de conhecer os arredores de Avignon.

OS ARREDORES (BATE E VOLTA)

Villeneuve-Lès-Avignon

Villeneuve-Lès-Avignon

Villeneuve-Lès-Avignon – Fica na margem direita do rio Rhône. Aqui, a idade média está no ar, os cardeais de Avignon construíram seus castelos do outro lado da margem. A cidade é uma opção para se hospedar ou jantar. O ónibus 11 o leva de Avignon à Villeneuve atravessando a ponte Daladier.

Teatro d'Orange

Teatro d’Orange

Orange – A Provence começa aqui, a 32km de Avignon. E se você se esquecer, lá estão, a noz de Vaison, a lavanda de Tricastin, o mel de Ventoux e a oliva de Nyons vendida nos mercados de quinta-feira para lembrá-lo. Roma revive nas ruinas d’Orange. O teatro mais antigo do mundo está preservado em Orange.

Pont du Gard

Pont du Gard

Pont du Gard – É uma ponte-aqueduto romano, fica a 25km de Avignon entre Uzès e Nîmes. Possui 49m de altura e 52 arcadas divididas em 3 níveis. foi construída no século I, é a ponte mais antiga do mundo e um dos mais belos testemunhos da civilização romana. O aqueduto levava água pura à Nîmes, captada de Uzès.

Saint-Rémy-de-Provence – Verdadeiramente provençal, esta é a cidade natal de Nostradamus, internato de Van Gogh em 1889, após cortar sua orelha esquerda e caminho para châteauneuf-du Pape. Em meio à loucura, Van Gogh retratou as paisagens em volta nas suas pinturas. Saint-Rémy-de-Provence fica a 24km de Avignon.

Châteauneuf-du-Pape
Châteauneuf-du-Pape – A vila tem reputação por produzir o vinho Châteauneuf-du-Pape com 13 uvas diferentes. A cidade vive 100% em função da produção de vinho. O Vaticano abastece suas adegas com os vinhos desta região. Na cidade, existem muitos lugares que oferecem degustação e venda de vinhos. E uma oficina de chocolate.

Gordes
Gordes – Esta vila surpreendente, com casas esculpidas, diretamente, nas rochas, cresceu morro acima. Possui um castelo de 1031, galerias de arte e um mercado ao ar livre que funciona às terças-feiras. Para se chegar a Gordes partindo de Avignon, pegue o trem na estação Avignon-Centre até Cavaillon, a viagem dura 00:32hs e depois de Cavaillon até Gordes(gare routière), numa conexão de ônibus(153). A viagem dura 00:30hs.
Atenção ao horários trem e do ônibus.

Abadia de Sénanque e seu cheiro de Lavanda

Abadia de Sénanque e seu cheiro de Lavanda

Sénanque(Abadia) – Pertinho de Gordes, Existe uma abadia, a Notre Dame de Sénanque. Fundada em 1148, a abadia é linda, possui belas formas e luz na medida certa. Foi preservada, sem dúvida, por causa do seu isolamento. Ela é toda ornada, essa combinação de beleza e cheiro de lavanda impregnando o ar, foi o que chamou minha atenção. Ainda por lá, visite o Musée de la Lavande para aprender a diferença real entre “Lavanda real” e “Lavandin” ao final visite a lojinha com produtos château du Bois.

Roussillon e sua falésia de óxido de ferro

Roussillon e sua falésia de óxido de ferro

Roussillon – Esqueça a aparência das pedras no acabamento das construções medievais, em Roussillon é diferente. Todas as casas são pintadas com pigmentos de terra das montanhas em volta. O solo da região é rico em óxido de ferro, o que dá esse tom ocre à argila. Aqui, videiras prosperam e como diz um ditado provençal: “um dia sem vinho é um dia sem sol”. Sente-se beba um rosé de Provence e curta o Midi. Um sorvete de rosas é, também, uma ótima opção. De Gordes até Roussillon são 10km. O trajeto pode ser feito de ônibus(CG84 ou Transdev South East), em 00:18hs. Atenção ao horários dos ônibus.

Chêne Bleu em Domaine de la Verrière

Chêne Bleu em Domaine de la Verrière

Crestet – No alto da colina deste vilarejo, um convento medieval cedeu seu espaço para uma vinícola e pousada, a Domaine de la Verrière. A restauração transformou o lugar numa vinícola de última geração onde se produz o vinho Chêne Bleu. Nada é artificial quando o assunto é o tratamento do solo para a produção da uva, leva-se em consideração até as fases da lua do plantio à colheita. O vinho Rosé produzido aqui, é servido no Opéra de Paris.

SOUVENIRS

A Rue de la republique é a principal área de compras. Mas o centro histórico é cheio de ruas estreitas com muitas opões de lojas de antiguidades e artesanatos.

QUANDO ANOITECE

No verão, os bares funcionam até mais tarde, mas fora esta época a cidade é muito tranquila. Os barcos de passeio de Avignon oferecem um mini cruzeiro com jantar e espetáculo.

COMO CHEGAR

Avignon fica no coração da Provença a 650km, sul de Paris, margem esquerda do rio Rhône. Partindo de PARIS GARE DE LYON, o TGV gasta 3:35hs até estação Avignon Centre.

Aix-en-Provence fica a 81km de Avignon e a viagem de TGV dura 00:55hs incluindo uma conexão de ônibus que o deixará em Aix-en-Provence Centre.

Marseille fica a 106km de Avignon e a viagem de TGV dura 00:30hs até a estação de Marseille Saint Charles.

Montpellier fica a 95,8km de Avignon e a viagem de TER dura 1:07hs até a estação de Montpellier ST-Roch.

QUANDO IR

O período ideal para visita é de abril a outubro. Março ainda lembra o inverno, com friozinho e muita chuva. Em novembro, o outono informa que o inverno está bem próximo, já é frio e a cidade está bem menos badalada.
Em abril/Maio tem o mercado de bugigangas antigas. É bom não confundir bugigangas antigas com antiguidades. É tão diferente!
Em julho/agosto tem o festival de artes dramáticas.
Lembrando que, Toda a região da Provence foi abençoada com campos de lavanda, para vê-los floridos é preciso que você vá entre os meses de junho/julho. A colheita começa a partir de final de julho e início de agosto. Registre!!!

ONDE FICAR

Hostellerie du Château des Fines Roches
Hostellerie du Château des Fines Roches – Localizado em Châteauneuf-du-Pape, a 10km de Avignon e próximo às belas cidades da região da Provença. É um antigo castelo com decoração provençal. Possui um restaurante Gourmet e um terraço com vista para as vinhas. O endereço é: Route de Sorgues. Diárias a partir de 190 euros. Registre!!!

Mercure Pont d’Avignon – localizado aos pés do Palais des Papes, o hotel compensa sua falta de estilo com conforto. O Endereço é: quartier de la Balance, rue ferruce. Diárias a partir de 100 euros.

La Mirande – é uma casa de 700 anos de idade com muito luxo e fica atrás do Palais des Papes. O restaurante do hotel está entre os mais finos de Avignon. O endereço é: 4 place de la Mirande. Diárias a partir de 280 euros.

Não tem hotel mais barato? Tem.

Em Avignon, hospedagem e refeição são mais baratas fora da época dos festivais. Cidades próximas como villeneuve-Lès-Avignon ou Saint-Remy-de-Provence lhes dão boas-vindas e devem ser consideradas para hospedagem com melhor custo.

Hôtel Ibis Avignon – Localizada no centro da cidade de Avignon, próximo à estação d’Avignon Centre Gare. Fica em frente à Fortaleza, a alguns metros du Palais des Papes e de Pont d’Avignon. Alguns quartos possuem vista para o Palais. Diárias a partir de 60 euros.

Citotel O’Cub Hôtel – localizado a 2km de Avignon em Villeneuve-Lès-Avignon, os quartos são muito simples, alguns com vista para Avignon e rio Rhône. O endereço é: Impasse Rhône. Diárias a partir de 55 euros.

Hôtel sous les Fiquiers – Localizado em Saint-Remy- Provence, o hotel possui figueiras de 100 anos e um café da manhã provençal (e quão provençal!), com geleias e pães caseiros. Diárias a partir de 120 euros.

ONDE COMER

Avignon é o coração da Provence, considerada a maior produtora de frutas e legumes francesa. No meio desse imenso quintal, a cidade é, também, um grande mercado agrícola, não menos importante que o mercado de artes. Sua gastronomia, como não poderia deixar de ser, é muito rica. A conserva de cebola e condimentos no azeite de oliva é inesquecível ao paladar. Os legumes largamente utilizados são reconhecidos em numerosos pratos como o daube (ensopado), Ratatouille (legumes como berinjela, grão de bico, alcachofra misturados no azeite de oliva com especiarias), Berlinguette (feito de ovos duros, patê de anchova, pão e gemas de ovos gratinado), La Daube Avignonnaise (uma variante do guisado clássico onde utiliza-se, no lugar da carne de porco ou boi, a paleta de cordeiro marinada no vinho branco), o papeton d’aubergines (um flan a base de caviar, abobrinha e ovos. O nome foi dado porque é cozido num molde em forma de uma tiara papal).

Para bebericar, há opções como o licor La papeline d’Avignon, criado em 1960, cujo nome homenageia os papas de Avignon; a cidra (fermentação da maçã) e o Calvados (fermentação da pêra). A região produz os vinhos da mais alta qualidade e reconhecidos mundialmente.

Restaurante do Hotel La Mirande – Oferece pratos fantásticos como o filet de atum com alcaparras e cebolas. As sobremesas são fresquinhas. Harmonize tudo com o vinho da casa. Fica na 46 rue de la Balance. Prato principal a partir de 15 euros, menu a preço fixo a 35 euros.

Restaurant Christian Etienne – Restaurante provençal, com localização ideal e excelente qualidade. Seu cardápio varia com as estações. Fica na 10 rue de mons. Menu a partir de 35 euros.

Place de l'Horloge

Place de l’Horloge

A place de l”horloge (Praça do relógio) – possui várias opções de bares e restaurantes na calçada, e um belo carrossel de 1900 no centro da praça.

Bon appétit!


Você também precisa conhecer

11 de outubro de 2016

RELACIONADOS
Carcassonne

23 de junho de 2017

Ruinas da Arena romana de Cimiez
Nice

12 de dezembro de 2016

Aix-En-Provence

12 de dezembro de 2016

Arrondissement d'Avignon
16°
céu limpo
Humidade: 59%
Vento: 10m/s N
Max. 24 • Min. 15
23°
Ter
25°
Qua
25°
Qui
Dados da OpenWeatherMap
Quem sou
Bird

Conheci a França através dos livros e descobri que este país é, por si só, um exemplar admirável. Desses que te hipnotizam da primeira página ao último ponto. Violento e delicado, por vezes há um toque de conto de fadas. Pura emoção.

A história francesa é o cenário principal da narrativa com suas coerências e paradoxos, glórias e fracassos. Registre!!! A leitura mágica me transportou para tempos remotos e contemporâneos.

Quero que a minha viagem seja nossa. Ela está aqui, na bilheteria da estação ferroviária. Faça uma boa viagem e volte para me contar. Como dizem os franceses: "À Bientôt, j'espère."

Parceiros